quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Solta no Ar

Por Sil Villas-Boas


Estou solta no ar
Com os pés soltos, 
Fora do chão
Minha alma vive tão livre
Feito nuvem branca
Num céu azul

E quando me sinto assim,
Solta na vida e no ar
É por sentir que a tua alegria
Vem correndo me abraçar
Vem correndo pra bem perto de mim.

***


Então me vens e me chega 
e me invades e me tomas 
e me pedes e me perdes 
e te derramas sobre mim 
com teus olhos sempre fugitivos 
e abres a boca para libertar novas histórias
e outra vez me completo assim, 
sem urgências, e me concentro inteiro 
nas coisas que me contas, 
e assim calado, e assim submisso, 
te mastigo dentro de mim 
enquanto me apunhalas 
com lenta delicadeza
deixando claro em cada promessa 
que jamais será cumprida, 
que nada devo esperar 
além dessa máscara colorida,
que me queres assim 
porque assim que és..

Caio Fernando Abreu

3 comentários:

RosaMaria disse...

Amo amo Caio F.

Estou namorando a idéia de me dar de presente um livro dele.

Adoro essa citação:

"Porque talvez esse seja o único remédio quando ameaça doer demais:

Invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota.

Ria até que o que parece trágico perca o sentido e fique tão ridículo que só sobra mesmo a vontade de dar uma boa gargalhada."

Beijos Sil!
Adoro tu!!!

Guará Matos disse...

Sil... Um beijaço!
Milhões deles.

Tatiana Kielberman disse...

Querida Sil,

Você sabe que posso até demorar, mas nunca deixo de passar por aqui!

Ler seu blog é sempre um bálsamo para a sua alma!

Agora, juntando Caio F. Abreu com Sil Villas-Boas, só poderia sair mesmo um espetáculo!!

Deu vontade de ficar assim... solta no ar!

Beijos, adorei!!