sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

'TAMOS DE OVÁRIO CHEIO DE VIOLÊNCIA', por João Maria Ludugero


Quando ela nasceu, levou tapas da vida.
Logo se pegou aos berros. 
Valéria aprendeu desde cedo a não ter infância.
Acendeu cigarro e não se engasgou nas tragadas.
Sob os olhos vermelhos da mãe desnaturada  
ignorava os malefícios do vício 
e precoce já pitava seus fumos.
Valéria se criou na rua, abandonada
aprendeu a se quebrar no crack, 
inalando seus frascos de cola 
ali mesmo sob o concreto armado 
do Teatro Nacional de Brasília.
Seu tio a levou pelo braço 
pra rodoviária do Plano Piloto.
Seu tio bebeu com ela toda uma garrafa 
de uísque do Paraguai.
Valéria foi estuprada e acordou grávida 
aos 12 anos de idade.
O que a vida não ensinou à Valéria?
A pensar e questionar sua sorte,
Ou só a impôs em  continuar 
de ovário cheio de violência?

Nenhum comentário: