segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

LUZES DE OPALAS, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
LUZES DE OPALAS,
por João Maria Ludugero

Não só de manjar ou cubar a lida,
Mas passeio por uma praia ensolarada,
Onde búzios e conchas de âmbar percorrem
Areias de salobras águas do mar,
Consentida matriz dos meus sentidos
Atentos à tua estrela acordada,
Que me nina ao entardecer ameno
Sem lusco-ofuscar meu ânimo 
Em receber a noite espairecida 
Com o acorde de radiantes estrelas...

Achego-me a Deus neste areal-vida,
Onde as marés rumorejam impactantes
Perto das dunas recém-adormecidas.

Não pressinto nem a vida aquarelada em pedras
Aceito abrir todas as cancelas às amarrações do amor
Avanço dentro e alto pelas cidades-perdidas-fechadas
No limo verde-musgo do velho cimento, emparedado
( Sou, assim, marejado em preciosas opalas)

Lágrimas de felicidade não desertam o sol da lua
Prateando meu interior enluarado a contento
A ofuscar toda cor das opalas do pensamento…
Meus passos repisam as escamas de prata, em avanço,
E eu sobrevoo agarrado às espumas dos ventos de outrora, 
Nas horas derradeiras de alinhados lenços brancos 
De prantos ensopados de adeuses na dança das luzes
Onde ainda soa a cantiga desse bailado louco 
Que não me atiça a dançar sob um chão de areias 
Na ávida temperança de espalhados jasmins,
É que a alegria se manteve em orientes fantásticos 
Em lagos-sem-fim, onde os nenúfares se colorem 
Numa espairecida viagem a acalentar meu coração partido…

Daí teço um poema que mistura a terra com os bons ares 
Do respirar-fogo-na alma das águas da poesia de engenho
À tônica procura de opalas da minha manhosa manhã para renascer,

Dessas alvorecidas que chegam a me assanhar até os pelos da venta!

Nenhum comentário: