quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A COR DO PARAÍSO, por João Maria Ludugero


A COR DO PARAÍSO,
por João Maria Ludugero

E o tempo passa, a correr dentro e alto,
E outras vezes ouço passar o vento em estripulias,
Tingindo cores ao oásis-meado paraíso. 
A partir daí ganho o mundo a contento 
E acho que só em ouvir passar o vento 
Vale que vale a pena ter bem-nascido!

Nenhum comentário: