domingo, 5 de janeiro de 2014

QUANDO ENCANTA O SABIÁ, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
QUANDO ENCANTA O SABIÁ,
por João Maria Ludugero.

Quando cantas no agreste, ó sabiá,
Fazes vibrar o coração
Deste cabra da peste, ó sabiá,
Teu cantar é emoção, ó sabiá,
Que acalenta meu peito
Que afugenta a dor atroz
Que acaricia minha alma inquieta,
Numa sinfonia tão bela 
Que só se compara 
A uma feliz saudação
Numa oração de amor,
Sem letras nem palavras,
Sem precisão de orquestra.
O teu cantar mavioso, ó sabiá,
Faz meu ser ficar em festa logo de manhã, 
Ávido pra ver o sol que me chama
Pra ver a vida escorrer no riacho
Maravilhar-me, sem medidas,
Ao vir ver a vida que não se esvai, 
Quando ouço teu cantar
Ao cair da tarde primaveril, 
Quando me ensinas a olhar pro horizonte.
Não tem preço, não se teria como avaliar, 
Apreciá-lo, degustando o mel desse riacho
Que tem curso pela vida afora, 
Que me manda desbragada a mente,
Sem pejo, ouvir teu canto de sorte,
Antes que a vida me desencarne 
De uma vez por todas, de certo,
Antes que teu canto solene 
Emudeça meu encanto, ó sabiá!
Quero ouvir encantado 
Tua cantiga de amor,
Melodiosa mente, até chegar o dia 
De estar com a tal da gota serena
E dizer-te adeus, ó sabiá!

Nenhum comentário: