segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

ASAS DO TEMPO, por João Maria Ludugero

Beija-Flor15
ASAS DO TEMPO, por João Maria Ludugero.

Acordam no peito as asas do tempo
Em palavras atadas à porta da estrada
Da boca calada de alentos, pendurados
Nas vagas agitadas dos olhos sedentos

Acordam no peito as nuances do sonho
Ensejado pela cantiga do bem-te-vizinho
Recai nas mãos delineando-se em grito
Nas rasuras infindas da mente tangível
Dentro e alto dos nichos da Várzea-RN

Acordam no peito as cores do meu poema
Em palavras animadas nos lábios rubros
Em frases arqueadas pelo sabor do gosto
Degustando na pele ávida de fonemas...

E acordam no meu peito as asas do tempo,
Feito folhas laranjas soltas no vento, nuas!

Nenhum comentário: